Eurobarómetro: imagem positiva da UE, mas europeus querem reformas

    4 Junho, 2021 José Ricardo Sousa 26 Sem comentários
    • 96% dos portugueses consideram que a UE deve ter mais competências para lidar com crises como a pandemia de COVID-19.
    • 84% dos portugueses tem uma imagem positiva da UE. É o Estado-membro com a percentagem mais elevada na União.
    • 91% dos portugueses afirmam neste inquérito que são, de um modo geral, a favor da UE – este é o valor mais elevado na UE. Contudo, mais de metade dos portugueses (58%) declaram-se a favor da UE, mas não da forma como tem sido concretizada até agora.
    • 71% dos portugueses considera que a situação na UE está, neste momento, a caminhar na direção certa (valor que aumentou 24 pontos desde o final do ano 2020). 64% dos portugueses considera que neste momento, em geral, a situação em Portugal está a caminhar na direção certa.

     

    Um novo inquérito Eurobarómetro do Parlamento Europeu, realizado entre março e abril de 2021, mostra o impacto crescente da pandemia da COVID-19 na vida das pessoas e na sua situação financeira. Oito em cada dez europeus conhecem as ações da UE para enfrentar as consequências da pandemia. Saúde pública, a luta contra a pobreza, o apoio à economia e ao emprego são os temas que os europeus consideram prioritários para o Parlamento Europeu.

    O inquérito Eurobarómetro de Primavera do Parlamento Europeu mostra um forte apoio à União Europeia e a preferência por uma abordagem a nível europeu para enfrentar desafios globais, como a pandemia da COVID-19.

     

    Impacto da COVID-19 nas finanças pessoais é sentido ou esperado por mais de metade dos europeus

    No final do primeiro trimestre de 2021, 31% dos europeus viram a sua situação financeira afetada negativamente durante a pandemia e 26% antecipavam esse efeito no futuro. Em Portugal, 36% dos inquiridos já viram o seu rendimento pessoal afetado pela pandemia, 38% previam que tal venha a acontecer no futuro. 26% acreditavam que o coronavírus não afetará o seu rendimento pessoal (42% na média europeia).

     

    Benefícios para a saúde superam prejuízos económicos provocados pelo confinamento

    Apesar do impacto financeiro da pandemia, a maioria dos europeus (58%) acredita que os benefícios para a saúde, resultantes das restrições no seu país, compensam os prejuízos económicos que estas medidas possam causar. Esta opinião é partilhada na maioria dos países da União Europeia e sugere uma mudança de atitude em relação ao segundo semestre de 2020, quando uma ligeira maioria dos cidadãos considerava os prejuízos económicos maiores que os benefícios para a saúde (dados do inquérito do Parlamento Europeu de 2020). 61% dos portugueses consideram que os benefícios para a saúde são superiores aos danos económicos.

     

    Oito em cada dez europeus sabem o que a UE fez desde o verão passado

    Os europeus estão conscientes dos esforços da União Europeia para combater a pandemia da COVID-19: oito em cada dez europeus já ouviram, viram ou leram sobre medidas ou ações iniciadas pela UE em resposta à pandemia – e quase metade (48%) sabe quais são as medidas. Em Portugal, 56% conhecem as medidas, 37% já ouviram falar, mas não sabem quais são as medidas, e 7% dos portugueses não ouviram, viram ou leram algo recentemente sobre medidas ou ações iniciadas pela UE para responder à pandemia.

    No entanto, apenas 48% dos europeus dizem estar satisfeitos com as medidas, enquanto 50% não estão satisfeitos. Pelo contrário, em Portugal, a maioria (53%) está satisfeita com as medidas, face a 47% dos portugueses insatisfeitos com a resposta europeia.

    Do mesmo modo, apenas 44% dos europeus estão satisfeitos com a solidariedade entre os Estados-Membros no combate à pandemia; enquanto que em Portugal prevalece a satisfação com a solidariedade europeia (58%).

     

    Forte apoio à União Europeia mantém-se, com Portugal no topo

    Apesar das variações de curto prazo e das diferenças entre países, a avaliação positiva da UE permanece num dos seus níveis mais elevados da última década. Portugal é o país com a percentagem positiva mais elevada, 84%, e apenas 2% dos portugueses têm uma imagem negativa da UE. Na média europeia, 48% têm uma imagem positiva da UE; 35% têm uma imagem neutra; 17% têm uma imagem negativa da UE. Este inquérito confirma e dá continuidade à tendência de aumento da imagem positiva da UE ao longo dos últimos dez anos e permanece em níveis elevados, apesar da pandemia e das suas consequências na vida dos europeus.

     

    Apoio, mas com reformas: resultados mostram um claro apelo a reformas na UE

    91% dos portugueses (valor mais elevado na UE) e 70% dos inquiridos a nível europeu afirmam neste inquérito que são, de um modo geral, a favor da UE. Mas menos de um quarto dos europeus (23%) são a favor da UE da forma como tem sido concretizada até agora – uma diminuição de quatro pontos desde o último inquérito conduzido em novembro-dezembro de 2020. Em Portugal este valor situa-se nos 33%. Mais de metade dos portugueses (58%) e quase metade dos europeus (47%) declaram-se de certa forma a favor da UE, mas não da forma como tem sido concretizada até agora.

    Por outro lado, 71% dos portugueses considera que a situação na UE está, neste momento, a caminhar na direção certa (valor que aumentou 24 pontos desde o final do ano 2020). 64% dos portugueses considera que neste momento, em geral, a situação em Portugal está a caminhar na direção certa.

     

    Vacinas e gestão de crises como prioridades para a UE

    96% dos portugueses considera que a UE deve ter mais competências para lidar com crises como a pandemia de coronavírus (74% a nível europeu).

    Quando questionados sobre as prioridades da UE na resposta à pandemia, os europeus e os portugueses identificam o acesso rápido a vacinas seguras e eficazes para todos os europeus como a mais importante (39% e 49%, respetivamente). A segunda prioridade para os portugueses é investir mais dinheiro na economia para uma recuperação sustentável e justa em todos os Estados-Membros da UE (43%). Segue-se estabelecer uma estratégia europeia para enfrentar uma crise semelhante no futuro (36%).

    A nível europeu, investir mais dinheiro para desenvolver tratamentos e vacinas é a segunda prioridade (29%), seguida pelo estabelecimento de uma estratégia para enfrentar uma crise europeia (28%) e pelo desenvolvimento de uma política de saúde europeia (25%).

     

    Parlamento Europeu deve dar prioridade à saúde pública, ao combate à pobreza e à recuperação da economia

    Quando questionados, concretamente, sobre as prioridades para o Parlamento Europeu, os portugueses elegem medidas para apoiar a economia e criar empregos (60%), assim como medidas para combater a pobreza e a exclusão social (57%).

    A nível europeu, os cidadãos querem que os eurodeputados coloquem a saúde pública como primeira prioridade (49% na média europeia, 38% em Portugal). Seguem-se a luta contra a pobreza e a exclusão social (39%), medidas para apoiar a economia e criar novos empregos (39%), bem como medidas contra as alterações climáticas (34% a nível europeu e 39% em Portugal).

     

    Conferência sobre o Futuro da Europa (que inclui um evento com cidadãos em Lisboa a 17 de junho)

    93% dos portugueses e 82% dos europeus concordam que a Conferência sobre o Futuro da Europa deve tratar prioritariamente sobre a forma como a UE poderia lidar melhor com crises como a pandemia da COVID-19. 92% dos portugueses concordam que a Conferência representaria um progresso significativo para a democracia na UE, face a 67% a nível europeu. 40% dos portugueses e 46% dos europeus concordam que Conferência não terá impacto real.

     

    Contexto

    O Eurobarómetro de Primavera 2021 do Parlamento Europeu foi realizado entre 16 de março e 12 de abril de 2021 nos 27 Estados-Membros da UE. O inquérito foi feito presencialmente e completado com entrevistas online, quando necessário, devido à situação de pandemia. No total, foram realizadas 26.669 entrevistas.

    O relatório completo pode ser encontrado aqui.

    Related Projects It`s Can Be Useful