Os europeus estão seriamente preocupados com a qualidade do ar e apelam a uma ação mais firme

    28 Outubro, 2022 José Ricardo Sousa 77 Sem comentários

    De acordo com o inquérito especial Eurobarómetro hoje publicado, os europeus estão preocupados com os efeitos da poluição atmosférica na saúde e no ambiente. A maioria dos inquiridos considera que a indústria, as autoridades públicas e os empregadores têm de envidar mais esforços para melhorar a qualidade do ar. As opiniões são claramente favoráveis à adoção de uma abordagem à escala internacional ou europeia e muitos dos inquiridos que ouviram falar das normas da UE em matéria de qualidade do ar consideram que as mesmas devem ser reforçadas.

    Virginijus Sinkevičius

    Virginijus Sinkevičius, comissário do Ambiente, Oceanos e Pescas: «As pessoas estão a dizer-nos que querem poder respirar ar limpo. As pessoas que vivem em cidades, que sofrem de asma e que habitam perto de instalações industriais estão preocupadas e pedem-nos para agir. A Comissão vai liderar os esforços através de uma proposta ambiciosa que visa reforçar as normas europeias em matéria de qualidade do ar.»

     

     

     

     

    Principais conclusões do inquérito

    •   Impacto da poluição atmosférica na saúde e no ambiente

    A maioria dos europeus considera que certos problemas de saúde, como as doenças respiratórias (89 %), a asma (88 %) e as doenças cardiovasculares são problemas graves que resultam da poluição atmosférica e afetam os países onde vivem. Os europeus manifestaram igualmente a sua preocupação relativamente aos problemas ambientais que afetam as massas de água e são causados pela poluição atmosférica, como a acidificação e a eutrofização (83 % em ambos os casos). A acidificação ( a água torna-se mais ácida) e a eutrofização (a enorme quantidade de nutrientes na água provoca o crescimento excessivo de algas que sufocam os outros organismos) são duas das principais consequências da degradação da qualidade do ar.

    •   Deterioração da qualidade do ar

    47% dos inquiridos considera que, ao longo dos últimos dez anos, a qualidade do ar piorou. No entanto, esta percentagem representa uma queda de 11 pontos percentuais relativamente a 2019.

    • Reforço das normas da UE em matéria de qualidade do ar

    O inquérito revela igualmente que os cidadãos carecem de informações sobre os problemas causados pela má qualidade do ar em geral.  A maioria dos europeus continua a dispor de poucas informações sobre as normas da UE em vigor em matéria de qualidade do ar – apenas 27 % dos inquiridos indicaram ter conhecimento da existência dessas normas. No entanto, uma grande maioria dos inquiridos (67 %) com conhecimento das normas da UE em matéria de qualidade do ar considera que as mesmas devem ser reforçadas. Esta afirmação é válida para todos os Estados-Membros, com exceção de cinco deles.

    • Ações de promoção da qualidade do ar, especialmente a nível internacional

    Uma grande maioria dos europeus considera que a poluição atmosférica deve ser combatida, em primeiro lugar, a nível internacional (65 %), seguidamente a nível europeu e nacional (42 % em ambos os casos) e, por último, a nível regional ou local (32 %). Uma parte significativa dos inquiridos considera que as ações devem ser levadas a cabo simultaneamente a todos os níveis (19 %).

    • Ações individuais para reduzir as emissões nocivas

    A maioria dos europeus considera que as grandes instalações industriais, os produtores de energia a partir de combustíveis fósseis, as autoridades públicas e os empregadores não estão a fazer o suficiente para melhorar a qualidade do ar.

    A maioria dos inquiridos considera igualmente que o setor doméstico está a fazer o suficiente. Existem agora mais probabilidades de os inquiridos fazerem algo para reduzir, eles próprios, as emissões do que em 2019. A utilização dos transportes públicos e de bicicletas ou as deslocações a pé são os métodos a que os europeus declaram recorrer mais frequentemente para reduzir as emissões nocivas para a atmosfera.

    Tal como anunciado no Pacto Ecológico Europeu, no âmbito do objetivo poluição zero para um ambiente sem substâncias tóxicas, a Comissão está prestes a propor uma revisão das atuais normas da UE em matéria de qualidade do ar, o que as harmonizará mais estreitamente com as recomendações mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), e reforçará as disposições que visam ajudar as autoridades locais a garantir um ar mais limpo. A proposta revista procurará também assegurar uma melhor aplicação prática das normas acordadas.

    Contexto

    O inquérito Eurobarómetro Especial foi realizado, em nome da Comissão, entre 21 de março e 20 de abril de 2022, tendo sido entrevistadas, na sua língua materna, cerca de 26 509 pessoas de diferentes grupos sociais e demográficos.

    Este inquérito dá seguimento a um outro inquérito especial, realizado em 2019, sobre as atitudes dos europeus relativamente à qualidade do ar. Muitas das perguntas do Eurobarómetro de 2019 foram repetidas neste novo inquérito, a fim de permitir uma comparação das tendências.

    Para mais informações

    Inquérito Eurobarómetro

    Página dedicada à política de ar limpo

    Qualidade do ar (europa.eu)