Europe Direct Minho realiza ação de sensibilização ambiental na Apúlia

    19 Setembro, 2022 José Ricardo Sousa 54 Sem comentários

    Dia internacional da Limpeza Costeira foi assinalado com acções na Malheira e outras praias de Esposende, que já dispõem de contentores específicos para recolha de lixo marinho.

    Vinte e um jovens de um projecto de voluntariado europeu participaram ontem numa operação de limpeza da praia da Ramalha, em Apúlia, iniciativa promovida pelo Europe Direct Minho, no âmbito do Dia Internacional de Limpeza Costeira. A acção coincidiu com a instalação, por parte do Município de Esposende, de dez contentores específicos para a recolha de lixo marinho naquela e noutras praias do concelho.
    Os jovens que procederam à remoção de detritos no areal e nas dunas da praia da Ramalha integram um projecto internacional dinamizado pela Associação Sopro, ao abrigo do Corpo Europeu de Solidariedade, com a duração de um mês, durante o qual desenvolvem competências nas áreas da saúde mental e do ambiente.

    Alzira Costa, coordenadora do Europe Direct Minho, adiantou ao Correio do Minho que a organização da acção de limpeza da praia da Ramalha corresponde a um desafio lançado pela União Europeia e pela Fundação Oceano Azul para a celebração do Dia Internacional da Limpeza Costeira, constituindo uma das muitas acções que aquela entidade, sediada no Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA), desenvolve ao longo do ano nos domínios da sensibilização e educação ambiental.

    “Ao longo do ano, temos acções repetidas em face da solicitação de várias entidades”, referiu aquela responsável, assinalando que a parceria com a Sopro já tem algum tempo.

    Susana Falcão, coordenadora de projectos internacionais da Sopro, acompanhou os 21 jovens portugueses, espanhóis, italianos e franceses que ontem deixaram a praia da Ramalha mais limpa. Ao Correio do Minho, destacou que os jovens, ao mesmo tempo que praticam voluntariado, melhoram as suas competências, linguísticas e outras, que sendo reconhecidas pela União Europeia, são importantes para o seu currículo e futura integração profissional.
    Para Alzira Costa, a participação de jovens de outras nacionalidades na acção de limpeza costeira serve para demonstrar “a importância que o nosso país atribui a esta temática”.

    Lixo marinho é ameaça séria aos recursos pesqueiros

    A acção na praia da Ramalha surgiu em resposta ao desafio anual da Fundação Oceano Azul e da Representação da Comissão Europeia em Portugal para a celebração do Dia Internacional de Limpeza Costeira.Esta foi uma das mais de 100 acções de limpeza terrestres e subaquáticas que se prolongam até 25 de Setembro, com a participação de milhares de voluntários.
    A acção integrou também a campanha ‘EUBeachCleanup’ da Comissão Europeia, com o objectivo de mobilizar a sociedade para uma maior consciência ambiental e para a alteração de comportamentos, com especial alerta para a emergência climática e para a necessidade de uma maior protecção do oceano.

    Este é o quarto ano consecutivo em que a Fundação Oceano Azul promove e apoia o trabalho de organizações que combatem activamente um dos maiores problemas ambientais do planeta: o lixo marinho.
    Desde o arranque desta iniciativa, em 2019, já foram recolhidas, em Portugal, 192 toneladas de lixo marinho em aproximadamente 1 250 acções de limpeza costeira, as quais envolveram quase 24 mil voluntários e 250 organizações.
    Anualmente, vão parar ao mar cerca de oito milhões de toneladas de resíduos, a maioria com origem em terra, que matam mais de um milhão de aves marinhas e mais de 100 mil tartarugas, focas, baleias e um imenso número de peixes. Estima-se que em 2050 possamos ter mais plástico do que peixes.